segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Magoo e Eu


Fui ver Marley e Eu. Um filme que conta a história de um labrador fazendo parte da vida de uma família.

O dono o chama de "o pior cão do mundo". De mentirinha, óbivio. Mas além de ser um filme legal de ver pra mim lembrou o Magoozinho.

Morei com ele num apartamento e se você já viu o filme deve imaginar o que ele aprontava.

Levei o filhote pra casa com 40 dias. Numa mochila, porque eu tinha uma Bizz. Abri a porta do ap e o colega que morava comigo,o Marco, disse... "Que cachorro bonito".

Magoozinho virou Magoo e Magoozão, comendo ração, camisas do São Caetano, chuteiras, cuias de chimarrão e outras coisas que eu nunca saberei.

Vivemos algumas aventuras... trilhas, mergulho no poço de água gelada, banho de mar, de chuva, viagens, danças na sala e invasões a apartamentos vizinhos.

E não só traquinagens ele fazia... o bichinho teve aulas de adestramento. Sentar, deitar e rolar era pra cachorros normais não pro Magoo. Meu lab ia na locadora e trazia o filme. Esperava na porta da padaria, trazia o leite e, claro, chamava atenção das meninas. Não tinha vizinha, amiga, conhecida ou desconhecida que resistisse a uma pata levantada pra cumprimentar.

Magoo viveu pouco mais que um ano. Foi envenenado e morreu.

Um cão de uma raça que serve muito pra trabalhar com cegos me fez abrir os olhos... amor incondicional existe.


6 comentários:

Sandra disse...

Tambem tenho uma cachorra da raça Labrador, a Lola, ao contrário do Magoo, ela é completamente desnorteada, me leva prá passear, corre atrás dos outros cachorros....mas é muito dócil e é a zagueira do time da criançada. Falta? faz um monte...sempre é expulsa, mas volta com o rabo abanando e começa tudo de novo.
é.... poucas pessoas sabem ,que o amor incondicional existe, mas eu sei que sim, pq faz parte do meu dia a dia. bj Alê.

Mariana disse...

Eu fui uma dessas q não resistiu aos encantos do Magoo!! =] Se não fosse por ele eu nem saberia q meu vizinho era o moço do tempo,hehehe!!!

Tai disse...

Muito legal seu texto ... realmente não há ser mais fiel que o cachorro .
Li o livro mas ainda não vi o filme, mas tenho certeza que vou adorar, pois tenho um Rotweiller que amo de paixão !

July Stanzioni disse...

Queridão!

Fazia tempo que não passava por aqui. Hj fui ver o filme... engraçado que mesmo com as risadas, foi um filme para pensar.
As vezes queremos por que queremos que as coisas aconteçam de um modo, se não for como pensado.. .ah! que chatice, que decepção.... mas as vezes, como é bom deixar o "acaso" acontecer... aos poucos você vai descobrindo que, o que vc precisava, era justamente o oposto ou, no mínimo, algo novo...

e assim, quando vc menos imagina, o novo, o acaso, o diferente começa a fazer parte da sua vida, pra sempre...

Bjbjbjbjbjbj

Cristina e Felipe disse...

ahhhhhhhh! Que matéria legal!
Li o livro e vi o filme...
adoro animais!
Não tenho cão, tenho gatas, mas são inteligentes, muito meigas e amigas como nunca tive!

Penny Lane disse...

Puxa, tenho uma vizinha que se chama Dóris. É uma linda srd, preta e branca. É minha vizinha predileta. Faço as pessoas do lava-rápido rir quando me a proximo e pergunto "por favor, a Dóris está?" E ouço: "ela é a única cahorrinha que recebe visita". "Dóris, visita!!" risos.
Creio que não seja a única (a visitar cãezinhos), mas com certeza é muito amada por mim. Quando a chamo diariamente, tarde da noite, para dar seu biscoitinho, meu coração fica apertadinho quando ela demora. Furtaram seu outro amiguinho, tenho medo que façam o mesmo com ela. O que isso significa? Talvez que eu tenha que fazer um blog para contar essas coisas, e parar de ocupar espaço no blog alheio... Tenha um bom sábado, e um excelente domingo...