sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

As Canetas

Nesse natal ganhei apneas um presente. Uma caneta. Falando assim não parece tanto, mas é uma caneta de ouro... Leve, fininha, com meu nome gravado.
É a segunda vez que ganho uma caneta no natal. O outro foi em 1987. Na hora da troca de presentes minha avó veio chorando entregar a caneta que era do meu avô - que tinha morrido no ano anterior. Ela não tinha nada demais, era prateada, simples, mas era a caneta que meu avô assinava os cheques, marcava os pontos da canastra e assinava o nome dele nas toalhas de papel (mania que também tenho).
Eu tinha 14 anos. Já morava sozinho em São Paulo. E claro levei a caneta para a escola. E óbvio que a perdi na primeira semana. Não sei como não sei onde. Às vezes, pra aliviar a culpa, penos que o vô Lau veio pegá-la de volta... afinal ele tinha um baita xodó com ela... Limpava, lustrava, conferia a carga... E eu a perdi.
Coisas importantes não podemos perder de vista, temos que prestar atenção, tratar bem, mostrar que são importantes. Afinal quem ama cuida.
Ganhei uma caneta de ouro da minha mãe, pai e irmã. Foi meu único presente material deste natal. E por isso ela se torna ainda mais importante. Nela tem valores e amores... e ela só sairá de casa para ocasiões especiais e vai voltar rapidinho pra caixa.

9 comentários:

Sandice disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sandra disse...

Oi, Alê,
Caneta de ouro, prata ou a famosa Bic.....o importante é que vc está nos corações das pessoas que o presentearam e o melhor presente do mundo é ser amado

Deby disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
July Stanzioni disse...

Nossa, Alê... adorei o que escreveu, as lembranças...

Meses depois que meu avô faleceu, cada neto ganhou algo para se recordar dele. Eu, uma camisa pólo, listrada (verde e azul escuros)...

Depois de 10 anos, ainda tenho essa lembrança guardada. As vezes, me sento no chão do quarto, abro a gaveta e tantas coisas me vêm à mente...

Um filme da minha infância, adolescência... meu avô usava esses tipos de camisa para ver jogos de futebol (torcedor do Timão) ou então para sair...

Fico pensando como seria hoje poder conversar com ele sobre essas coisas, sobre minha carreira e afins... acabo "batendo esse papo" com ele ali, vendo a blusa...

Coisas que ficam para sempre. E como é importante tudo isso...

Beijos e Beijos

Cristiano Gobbi disse...

Meu avô era campeão de tiro ao alvo. Quando ele morreu, a carabina mais eficiente dele ficou com meu irmão. Ele cuidava bem dela e um dia levou para um armeiro fazer uma limpeza. Caiu numa blitz, teve a arma apreendida e respondeu processo por porte de arma. Não dá nem pra pensar que meu avô veio buscar porque deve ter ficado na mão de um policial corrupto. Cuide bem da caneta!!
Grande abraço
Cristiano

Sandra disse...

Já que contaram as lembranças, vou contar uma minha. Ao 6 anos, ganhei uma pulseirinha da vó Shimune, cheia de orientações....Não vai perder, hein, senão corto seu braço, guarde a pulseira menina, vc parece um moleque. Sai da chuva, cuidado c/o rio.. Não guardei. A pulseira soltou a agua levou p/o rio..claro que pulei atrás. Acordei 3 dias depois no hospital, com minha avó do lado e outra pulseira igualzinha .no pulso. Ela me disse que tinha achado, mas sei que é mentira. Brigadão, vó,vc se foi, mas ainda te amo.

Marilia disse...

Que lindo o que tu escreveste... Lendo isso da saudades do meu avô... eu dormia no colo dele... a gente via seriados junto e dormiamos junto na velha cadera enfrente a tv, vermelha de couro.. ele me colocava na cama quando eu dormia e ele não... Bons tempos...

Se cuida... Beijos...

Mariana disse...

laEu tb só ganhei um presente material nesse Natal.. foi um livro! e aposto q a relação q tenho com ele é bem parecida com a tua e a caneta nova =]

julia disse...

Alê e pessoal, vcs vão adorar isso!
Ícone das palavras, da escrita, das cartinhas, dos velhos tempos de infância ...
Canetas inspiradas na esferográfica mais famosa do mundo em aço, prata, ouro amarelo, verde, rosê.
Vejam só www.athas.com.br
abs,